PROFHISTÓRIA TEM MAIS UMA DEFESA DE DISSERTAÇÃO NESTA QUINTA

O Mestrado Profissional em Ensino de História (PROFHISTÓRIA), núcleo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) registra nesta quinta-feira, 14/4, mais um ato solene de defesa pública de dissertação. É a terceira banca de defesa do programa até agora.

Intitulada “Quebrando a história: A Ditadura Militar (1964-1985) na Narrativa Revisionista do Brasil Paralelo”, a pesquisa do mestrado Jorge Luiz de Maia Freitas, discute as produções da empresa Brasil Paralelo referentes ao tema da Ditadura Civil-Militar (1964-1985). Através da análise dessas produções, pretendeu-se compreender como se dá a construção de suas narrativas em relação ao período assinalado, e quais os interesses econômicos, políticos e simbólicos por trás delas.

“Para isso, foi empreendido o debate teórico em torno do revisionismo, entendido aqui como a manipulação arbitrária de fontes históricas com o objetivo de construir uma narrativa hegemônica vinculada a um projeto político e à memória de grupos específicos, principalmente conservadores”, destaca o pesquisador.

Jorge Luiz ressalta que foram utilizados como fonte o livreto Entre Mitos e Verdades, e o documentário 1964 – O Brasil Entre Armas e Livros, ambos do Brasil Paralelo. Analisou-se como essas fontes foram operacionalizadas para a construção da narrativa para, a partir daí, aferir as possíveis  diferenças desse fazer historiográfico com o método da História enquanto ciência.

“Ao final, constatou-se que a narrativa do Brasil Paralelo despreza o método histórico e o  conhecimento acumulado por essa disciplina, demonizando os professores e buscando substituí-los nas escolas e universidades. Para lidar com isso, foi proposto um projeto didático que ensinasse aos alunos as bases da pesquisa histórica para, dessa forma, inibir a propagação de narrativas revisionistas no ambiente escolar”, conclui Jorge Luiz.